Uma advogada presa preventivamente em Goiás, por supostamente participar de uma organização criminosa especializada na exploração de jogos de azar, teve a liberdade provisória concedida, mediante o uso de tornozeleira, após relatar ser vegana. De acordo com a decisão, proferida pela juíza Placidina Pires, da Vara dos Feitos Relativos a Organização Criminosa e Lavagem d...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários