A Secretaria da Municipal de Saúde de São Paulo pediu intervenção imediata em três hospitais da rede Sancta Maggiore, do grupo Prevent Senior, especializada no atendimento de idosos e que concentra 79 das 121 mortes por Covid-19 no estado até esta terça-feira (31) –o país registra 201 mortes.

O pedido foi encaminhado na última sexta-feira (27) à secretaria estadual, que tem competência para realizar a intervenção, mas ainda não há uma resposta.

Na capital há oito unidades com nome Sancta Maggiore e o pedido se refere a três delas, que estão no Paraíso (zona sul), em Pinheiros (zona oeste) e na Santa Cecília (centro).

Essa rede já foi alvo de ações de fiscalização de equipes da saúde municipal após a confirmação das primeiras mortes em decorrência da contaminação do coronavírus.

A equipe médica do hospital da unidade Paraíso não comunicou os casos de contaminação, o que fere legislação de combate à infecção de doenças contagiosas, diz o município.

Após a fiscalização, o município também disse haver problemas estruturais nas unidades de saúde, do ponto de vista sanitário. Essa fiscalização pesou para o pedido do município, segundo nota da Secretaria Municipal da Saúde.

O Ministério Público paulista também instaurou procedimento investigatório criminal para apurar se as equipes médicas da rede particular realmente deixaram de informar os casos da Covid-19 aos órgãos de vigilância sanitária, omissão que pode ser punida com de seis meses a dois anos de detenção.

Procurada, a Prevent Senior informou, em nota, que repudia a retórica do secretário da Saúde, Edson Aparecido.

“Ameaçar de intervenção só demonstra que a prefeitura tenta faturar com a desgraça do momento atual com a crise da Covid-19 com objetivos políticos e estranhos. Usa de expedientes desonestos, abusivos e inverídicos para ganhar notoriedade e causar pânico”, diz Nelson Wiliams, advogado do grupo. (FolhaPress)