A empresa de Saneamento de Goiás S/A (Saneago) informou que tem intensificado o processo de proteção ambiental e promovido ações para proteger e recuperar os mananciais utilizados para o abastecimento público.

Como exemplo desse trabalho, destaca o levantamento da situação ambiental das bacias hidrográficas de captação, recuperação das nascentes e das bacias, reflorestamento das áreas das captações da empresa.

Entre os diversos fatores de degradação ambiental que podem causar o comprometimento qualitativo e quantitativo das águas dos mananciais de abastecimento público, a Saneago destaca as seguintes atividades potencialmente poluidoras: indústrias, agricultura, pecuária, piscicultura, suinocultura, avicultura, mineração, expansão urbana, lançamento de efluentes in natura, desmatamentos, ausência ou deficiência de técnicas de conservação do solo, bem como a falta de proteção das Áreas de Preservação Permanente (APP’s), entre outras atividades.

“Todavia, nas ações de recuperação, é de fundamental importância a união de esforços do Poder Público, sociedade civil, organizações não governamentais (ONGs), instituições e, de forma imprescindível, dos usuários de bacia para a construção coletiva de soluções”, frisa sobre como buscar mudar o cenário atual.

Análises

A Saneago reitera ainda que realiza em torno de 324.000 análises de água por ano no Laboratório Central de Água, para verificação da qualidade de água bruta e tratada dos sistemas de abastecimento, visando atender às legislações vigentes do Ministério da Saúde e as Resoluções do Ministério do Meio Ambiente.

“Ressalta-se que toda água tratada distribuída para a população goiana atende aos padrões da Portaria da Potabilidade da Água e que a Saneago envia relatórios mensais, semestrais e anuais para as Vigilâncias Municipais e Estadual da água bruta e tratada que demonstram este atendimento”, frisa.

Além do Laboratório Central de Água, a companhia possui 16 laboratórios regionais, nos quais são realizadas análises físico-químicas e bacteriológicas para atendimento à legislação vigente.

As Estações de Tratamento de Água (ETA) possuem laboratórios operacionais visando a eficiência no tratamento de água, sendo um total de 190 unidades. Esses laboratórios realizam análises físico-químicas na água bruta, nas etapas do tratamento e na saída da estações.