A Polícia Civil descobriu que o PM reformado Ronnie Lessa, preso sob acusação de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, monitorou pelo menos um encontro privado da vítima, com seu ex-marido, pouco antes de ser morta. O relatório final do inquérito apontou que dois dias antes do crime Marielle esteve, por três horas, na casa do cie...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários