O Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde (INTS), responsável pela gestão do Hospital de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz (Hugo) afirmou, na manhã desta quinta-feira (19), que está preocupada com o desabastecimento e aumento abusivo de preços dos equipamentos de proteção individual (EPIs) como máscaras, capotes, luvas, além de álcool em gel. Ainda há estoque no local, mas a situação pode se complicar nos próximos dias. 

Em nota, a Organização Social afirmou que será necessária aquisição dos EPIs e os fornecedores já apresentam alteração dos valores cobrados anteriormente. A máscara cirúrgica que era encontrada no mercado a R$ 1,40 teria sido cotada nesta quinta-feira (19) a R$ 35,00 pelo departamento de compras do Hugo. As máscaras descartáveis antes compradas por 0,08 centavos estão custando R$ 2,20. O aumento desta última equivale a um aumento de 2.750%. 

A Diretora-geral do Hugo, Dulce Xavier diz que comunicou a situação à Secretaria de Estado de Saúde de Goiás (SES-GO) e solicitou providências e orientações. O objetivo é acionar autoridades competentes para coibir abuso nos preços e buscar alternativas para suprir a demanda imediata. 

Em nota, o INTS disse que “se preocupa em manter o atendimento de qualidade neste momento de pandemia”. Relembrou ainda que adotou a restrição de visitas nesta semana como forma de diminuir a possibilidade de contaminação pelo novo coronavírus. “O hospital presta um atendimento humanizado aos pacientes e para isso precisa preservar e zelar pela saúde de seus colaboradores”, finaliza o documento. 

A SES-GO foi procurada, por meio de assessoria de imprensa, mas ainda não se pronunciou sobre o assunto.