O Ministério Público de Goiás (MP-GO) pediu a condenação e o bloqueio de bens dos 31 envolvidos na Operação SOS Samu, que investigou o esquema que fraudava encaminhamentos de pacientes para Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de hospitais particulares em Goiânia. A operação foi realizada em 2016. Segundo a denúncia, médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, motoristas de ambulância, donos de unidades hospitalares, bombeiros e funcionários do Serviço de Ate...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários