Seis envolvidos na morte do estudante de direito e motorista de transporte por aplicativo Carlos Augusto dos Santos Lopes, de 25 anos, foram denunciados pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) por latrocínio, que é o roubo seguido de morte. O crime aconteceu na noite do último dia 13 de outubro, no Setor Recreio dos Bandeirantes, em Goiânia.

Na denúncia, o promotor Publius Lentulus, solicitou também o encaminhamento da cópia do inquérito policial ao juizado da Infância e da Juventude, para instaurar ação socioeducativa contra uma adolescente suspeita de participação no caso. 

As investigações apontaram que no dia do assassinato, um casal solicitou uma viagem pelo aplicativo para roubar o carro da vítima. Durante a tentativa de assalto, Carlos teria se assustado. Ele foi baleado e morreu. Os suspeitos fugiram do local, mas foram localizados e presos no mesmo dia.

Segundo a Polícia Civil (PC), a encomenda do roubo saiu de dentro da prisão e o veículo seria usado em outros crimes. Outros quatro homens foram presos na casa e uma adolescente foi apreendida. Todos possuem passagens por roubo, tráfico e furto. 

O corpo de Carlos foi levado para São Luís (MA). No entanto, para o traslado colegas de trabalho e desconhecidos realizaram uma arrecadação entre integrantes da categoria e pessoas que transitavam pela Avenida São Paulo, no Setor Vila Brasília, em Aparecida de Goiânia.

Ao todo, foram arrecadados R$ 8.560, de acordo com Waldir Júnior, secretário da Associação dos Motoristas por Aplicativo do Estado de Goiás (Amago). O deslocamento custou R$ 8 mil. “A diretoria toda se empenhou e houve um grande trabalho em equipe. Todos foram para a rua correr atrás, em prol de ajudar no retorno do Carlos Augusto. A gente mobilizou o trânsito e a população foi fundamental para isso”, diz Júnior.

Carlos Augusto era estudante de graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás). Natural de São Luís (MA), ele estava na capital goiana havia cerca de quatro anos. De acordo com informações da família, o jovem tinha quatro irmãos e cuidava da mãe trabalhando em Goiânia.