Nove motoristas do transporte coletivo que foram demitidos nesta sexta-feira (27) usaram as redes sociais para reclamar. No entendimento deles, caso o governo tivesse permitido a suspensão das atividades do transporte coletivo durante a quarentena, eles ainda teriam seus empregos. No vídeo, os homens aparecem segurando as cartas de demissão e afirmam que precisam do trabalho e que não culpam a empresa, mas a decisão de não suspender o serviço, mesmo com a falta de público. Decreto do governo estadual mantém o comércio fechado e o transporte público funcionando normalmente.

A empresa HP Transportes informa que desligamento de colaboradores que terminaram seus contratos de experiência ocorreu por conta da queda do uso do transporte público durante a quarentena. A nota oficial da empresa foi divulgada depois que um vídeo com manifestação dos trabalhadores começou a viralizar nas redes sociais.

A empresa alegou que esta foi uma “decisão difícil” justificada pela “queda de 85% dos passageiros e a consequente perda de receita”. A empresa também argumentou que tem se esforçado para manter o serviço mesmo com a receita insuficiente para pagamento do combustível.

A empresa disse, ainda na nota, que 25 motoristas foram desligados após o fim do contrato de experiência e que acredita que, com o poder público conseguirá superar esse momento de crise.

 

Confira a íntegra da nota:

A HP Transportes tem envidado todos os esforços para cumprir a orientação do Governo do Estado de Goiás, através do Decreto 9.638, mantendo a operação do serviço para oferecer transporte público coletivo à população que ainda necessita se locomover, porém a receita auferida diariamente não tem sido suficiente sequer para o pagamento do óleo diesel. 

A empresa está apreensiva com a situação, pois apesar de todo esforço, teme não conseguir cumprir suas obrigações.

Nesta sexta-feira, 27, a empresa informa, com pesar, que desligou 25 motoristas do serviço CityBus 2.0, em término de contrato de experiência, até que a batalha contra o corona vírus seja vencida.

A empresa está ciente de sua grande responsabilidade social e, acredita que com o poder público conseguirá atravessar essa crise.