Na área vivem pessoas como o pedreiro Homero do Carmo Soares. Cansado de pagar aluguel, ele se transferiu para o terreno da União há cerca de cinco anos com a mulher e a filha. Desde então vivem num barraco de quatro cômodos, sem acabamento. Durante a chuva de ontem ele reviveu um drama comum por ali. “A enxurrada está forte e invade nossas casas.” As famílias que cons...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários