A experiência vivenciada pelos pais de crianças que nasceram com microcefalia, especialmente durante o surto de 2016, extrapolou os limites do privado e passou a ser compartilhada em redes de contato, por meio de grupos de WhatsApp. A troca de informações e o auxílio mútuo foi uma forma, inclusive, de acalmar e orientar as mães assustadas com a situação que se apresent...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários