Defendida em maio deste ano no Programa de Pós Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Goiás (UFG), a tese de doutorado Com o peito cheio de pó - uma etnografia sobre a negação do adoecimento de trabalhadores do amianto na cidade de Minaçu (GO), defendida por Arthur Pires Amaral, joga luz sobre o sofrimento social no município goiano originado pela ...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários