O médium João de Deus foi ouvido novamente nesta sexta-feira (8) pelo Ministério Público de Goiás. De acordo com o órgão, o médium usou, pela primeira vez, seu direito de ficar calado. A oitiva aconteceu no núcleo de custódia de Aparecida de Goiânia, às 9 horas da manhã.

Denunciado por abusos sexuais, posse ilegal de arma e coação de testemunhas, ele não respondeu a nenhuma das perguntas feitas pelos promotores de justiça que integram a força tarefa do caso.

Um dos advogados de defesa de João de Deus, Ronivan Peixoto, afirmou que o cliente só vai falar em juízo. Ele também disse que o médium não está bem de saúde.

Laudos médicos pedidos pela defesa do médium apontam que ele perdeu 17 quilos desde que foi preso, em 16 de dezembro do ano passado e que sua saúde tem piorado. O documento detalha ainda que João de Deus fica a maior parte do tempo deitado, além de dormir mal e chorar com frequência.

Outros detalhes sobre o interrogatório não foram divulgados porque a investigação é sigilosa. Depois de ouvido João de Deus voltou para a cela.