A reunião da Câmara Deliberativa de Transportes Coletivos (CDTC), que estava marcada para a manhã desta sexta-feira (21), foi cancelada pelo presidente do colegiado e prefeito de Goiânia, Iris Rezende Machado (MDB). A razão foi a recomendação do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), feita pela promotora Leila Maria de Oliveira, em que pede os cálculos realizados pela Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) e conferidos pela Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos (AGR) para verificações.

Iris resolveu acatar a recomendação do MP-GO no início da tarde de hoje (20) para que o MP-GO pudesse receber a documentação pedida à CMTC e à AGR e realizasse a análise sobre o cálculo. Não há ainda, uma nova data para a realização da reunião da CDTC. No documento, a promotora quer garantir que o cálculo feito pelo reajuste cumpre a 24ª cláusula do contrato de concessão firmado em 2008, que é o artigo responsável por definir a fórmula paramétrica utilizada para chegar ao índice de reajustamento. Segundo o pedido, outros índices que estão fora da fórmula não devem participar do cálculo.

A CMTC informa que os cálculos seguiu precisamente o contrato, assim como é feito desde o reajuste de 2009, e que a planilha foi expedida à promotora ainda ontem (19) a tarde, tão logo a conta foi confirmada pela AGR, de modo espontâneo e pela pessoa do presidente da companhia, Benjamin Kennedy Machado. E completa que o pedido de informações do MP-GO foi protocolado na sede da CMTC às 14h55 de hoje (20). Leila Maria pede que os documentos sejam enviados em até 5 dias, com a planilha de cálculo da CMTC. Para a AGR, foi pedido, também em 5 dias, nova reavaliação da planilha de custos do transporte público coletivo de passageiros.