O presidente nacional da Ordem dos Advogados d Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz classificou as imagens da agressão ao advogado Orcelio Ferreira Silverio Junior como enojantes e covardes. Ele se pronunciou por meio da conta pessoal do Twitter e garantiu que a entidade de classe irá acompanhar o caso. Em seguida, prestou sua solidariedade aos colegas goianos. As imagens foram compartilhadas nesta quarta-feira (21) e mostram policiais militares desferindo uma série de socos contra a vítima.

“Imagens enojantes de agressão (covardia) policial contra advogado em Goiás. Milicianos que inclusive sabiam que estavam sendo filmados. Imagine o que fazem sem testemunhas! Iremos acompanhar o caso e confiamos em punição exemplar. Solidariedade aos colegas goianos”, afirmou Santa Cruz. Na noite desta quarta, a OAB-GO também havia divulgado uma nota na qual repudia a ação e pede providências da Secretaria de Segurança Pública (SSP-GO). Os envolvidos foram inicialmente levados para a Central de Flagrantes.

O procurador nacional de defesa das prerrogativas da OAB, Alex Sarkis, também afirmou que o Conselho Federal dará todo o apoio necessário à OAB Goiás para a apuração e punição dos envolvidos. “Nos solidarizamos com toda advocacia do Estado de Goiás, em especial o colega vítima de covarde agressão física em abordagem policial. O Conselho Federal da OAB, através do seu Sistema de Prerrogativas, prestará todo auxílio necessário a Seccional GO e ao colega agredido para que persigamos dura e exemplar punição dos policiais envolvidos. É impensável que tamanha covardia passe impune e para tanto, acompanharemos de perto as investigações e o desfecho das providências tomadas”, finalizou Sarkis.

 

O caso

As agressões filmadas ocorreram próximo ao Terminal Praça da Bíblia, em Goiânia. Um vídeo mostra quando o profissional tenta interceder por uma pessoa, mas é contido pelos policiais e depois recebe uma série de socos, enquanto os demais o seguram. Por meio de nota, a Polícia Militar (PM) informou que foi acionada após uma denúncia de que um flanelinha estaria extorquindo e ameaçando pessoas na região. "Foi verificado no sistema de segurança pública que o ‘flanelinha’ possui registros com histórico criminal de roubo, ameaça, desacato e três mandados de prisão cumpridos, estando atualmente em liberdade condicional".

A PM disse que, conforme o relato dos policiais, durante a abordagem uma pessoa que se identificou como advogado “invadiu o perímetro de segurança, porém ao ser solicitado que mostrasse sua identificação, este se recusou e ainda desferiu um soco no rosto de um dos policiais militares, quando o policial tentou afastá-lo do local da abordagem”.

“Ao tomar conhecimento das imagens publicadas, a Polícia Militar instaurou um Procedimento Administrativo Disciplinar para apurar os fatos e ainda determinou o afastamento das atividades operacionais do policial militar envolvido na abordagem. A Polícia Militar reforça que não compactua com qualquer tipo de excesso e que o caso está sendo apurado com o devido rigor”, completou na nota.