Idealizado pelo Instituto Espinhaço e apresentado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) na última sexta-feira (10), o Projeto Gêneses prevê a construção de oito edificações, incluindo museus, templo ecumênico e planetário na Chapada dos Veadeiros. O projeto que tem outras ações e está inicialmente orçado em mais de R$ 3 milhões, prevê, em uma segunda etapa, a transformação de duas unidades de conservação: Parque Estadual Águas do Paraíso, criado pelo governo de Goiás em 2020, e Parque Estadual de Terra Ronca, ainda sem valor estimado. 

Logo após o lançamento, por meio das redes sociais, moradores da região reprovaram a iniciativa defendendo que a grandiosidade das obras estaria em desencontro com o ambiente natural do local. A Semad afirmou que nas duas próximas semanas irá realizar oficinas em todas as nove cidades envolvidas a fim de acolher as sugestões da comunidade local. A secretaria afirmou, por meio da assessoria de comunicação, que ainda é uma fase inicial e que não há, por exemplo, orçamento total estimado para o projeto que foi desenvolvido pelo arquiteto Luis Pedro Scalise.

O evento, que está disponível no YouTube mostra o presidente do Instituto Espinhaço, Luiz Cláudio de Oliveira, sendo apresentado como idealizador do programa Gênesis, ‘em apoio voluntário ao governo de Goiás’. “Estamos irmanados, estamos cooperando e praticando a maior e mais profunda arte que o povo goiano sabe fazer: antecipar o futuro. Aqui hoje, nesse singelo encontro governador, eu tenho certeza que nasce um novo cenário, nasce uma nova abordagem. Tenho convicção que essa é uma região predestinada.”

Outro projeto realizado em Goiás conta com a elaboração conceitual do Instituto Espinhaço, o ‘Juntos pelo Araguaia’. No último mês de agosto, O POPULAR mostrou que o programa de recuperação ambiental avançou 2% sobre a área total prevista pouco mais de dois anos e meio após o lançamento, em junho de 2019, e oito meses depois de iniciada a execução. Na ocasião, a Semad afirmou que o trabalho estaria progredindo mais rápido do que o esperado.

A unidade de conservação do Parque Águas do Paraíso é gerida de forma compartilhada pelo governo de Goiás e pela prefeitura de Alto Paraíso.