O Hospital de Queimaduras, em Anápolis, se pronunciou nesta sexta-feira (20) através de um vídeo em uma rede social sobre o diagnóstico de infecção pelo novo coronavírus (Covid-19) em uma das médicas e diretora da instituição, a anestesiologista Leila de Sá Rodrigues da Cunha, de 69 anos. Ela foi a primeira a testar positivo para a doença na cidade.

A médica chegou a atender alguns pacientes na última sexta-feira (13) antes de receber o resultado positivo para a presença do vírus. O diretor técnico do local e filho de Leila, Leonardo Rodrigues da Cunha, afirmou que a unidade ficou sabendo do diagnóstico na última segunda-feira (17). “Entretanto, ela já estava isolada desde o início da tarde do dia 13. Acionamos a vigilância epidemiológica e levantamos todos os funcionários, pacientes e acompanhantes que tiveram contato com ela”, esclareceu.

De acordo com ele, as pessoas que os pacientes que se adequaram nos protocolos de isolamento foram enviados para o isolamento domiciliar e os funcionários afastados do trabalho. Todos estão sendo monitorados pela vigilância epidemiológica da cidade e pelo Hospital de Queimaduras. “Não foram muitas pessoas. Em relação à Leila, ela está em isolamento desde sexta-feira (13) a tarde com o esposo e a filha. Apenas ela teve o resultado positivo”, afirmou Cunha.

Fake news

O diretor aproveitou ainda a ocasião para desmentir notícias que estavam circulando na cidade sobre a saúde de Leila. “Ela não está internada. Nunca esteve. Não chegou a ser entubada, nem foi para uma Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Ela está em casa, assintomática e sendo monitorada diariamente”, enfatizou. 

Cunha pediu ainda que a população anapolina tenha sensibilidade para falar sobre o assunto. “Pedimos isso por nós como instituição e pelos nossos funcionários. Temos sofrido muitos ataques nas redes sociais. Continuamos abertos, realizando nosso trabalho com a excelência e qualidade que fazemos há mais de 45 anos”, finalizou.