A Associação dos Hospitais Privados de Alta Complexidade do Estado de Goiás (Ahpaceg) informou, nesta quarta-feira (13), que as unidades filiadas à entidade contam com aproximadamente 500 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), sendo que cerca de 100 leitos foram destinados ao tratamento de pacientes diagnosticados com a Covid-19. De acordo com o comunicado, apenas 20 desses leitos exclusivos estão ocupados, ou seja, uma ocupação de apenas 20%.

De acordo com a Ahpaceg, a publicação da nota tem a intenção de esclarecer “inverdades” que estão circulando devido à pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2). Os pontos questionados pela associação são: o risco imediato de colapso, superlotação e falta de leitos.

De acordo com a Ahpaceg, a grande quantidade de leitos vazios ocorre devido à redução de atendimentos eletivos aliada à baixa procura por pacientes com suspeita ou confirmados da Covid-19. 

A associação também registrou uma queda em torno de 50% nos atendimentos nos prontos-socorros. A Ahpaceg informou ainda que as unidades adotaram cuidados de higienização e proteção de pacientes e profissionais de saúde.