Ao fazer uma requisição administrativa de seringas e agulhas, alegando “iminente perigo público”, o Ministério da Saúde apresentou aos fabricantes a necessidade de darem prioridade ao governo federal e até de cancelarem a entrega a outros clientes, como governos estaduais.O ministério, neste caso, faria os repasses dos insumos que originalmente iriam a esses govern...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários