O Hospital e Maternidade Célia Câmara, mais conhecido como Maternidade Oeste, que será utilizado temporariamente como centro de tratamento intensivo para pacientes com a infecção pelo novo coronavírus (Covid-19), deverá ser aberta como hospital municipal de campanha no dia 6 de abril. A informação é da secretária municipal de Saúde, Fátima Mrue. A unidade, localizada no Conjunto Vera Cruz I, na Região Oeste da capital, recebeu na manhã desta quarta-feira (25) uma visita técnica do prefeito Iris Rezende (MDB).

A maternidade estava prestes a ser inaugurada quando ocorreu a crise causada pela pandemia do novo coronavírus. De acordo com a secretária, que acompanhou a visita técnica nesta manhã, o prédio com capacidade para 186 leitos deverá ser entregue no dia 31 deste mês. “A ideia é abrir com 30 leitos de UTIs e ir ampliando na medida que for necessário podendo chegar a 100 leitos de UTI. Os demais ficarão como enfermaria, mas tendo necessidade a capacidade é plena.”

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS)de Goiânia já havia feito um contrato com a Fundação de Apoio ao Hospital das Clínicas para a gestão da unidade. A OS será mantida à frente do hospital de campanha.

Durante a inspeção feita no local, Iris falou sobre o adiamento do início das atividades da maternidade, que seria, segundo ele, a maior do País, mas que agora dará espaço para outro tipo de atendimento. “Estamos avaliando a ideia de suspender a inauguração da maternidade agora e transformá-la provisoriamente em uma central de UTI (unidade de terapia intensiva) até que passe essa onda que nós estamos vivenciando hoje no País. Terminada essa fase, aí, sim, nós vamos inaugurar a maternidade”, disse Iris.

O anúncio do hospital de campanha foi feito no domingo, pelo prefeito, após reunião por meio de videoconferência, com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro da Saúde, Henrique Mandetta. Ela é uma das três que estavam prestes a abrir as portas e que serão utilizadas durante a pandemia do novo coronavírus no Estado, conforme mostrou o POPULAR.

A mudança da destinação da Maternidade Célia Câmara será publicada, por meio de decreto, no Diário Oficial do Município nesta quarta-feira (25).

 

Alunos da rede pública vão receber R$ 75 por merendas

O governo de Goiás decretou, nesta quarta-feira (25), mudanças relacionadas ao programa de alimentação escolar da rede pública de ensino, durante o período de suspensão das aulas para o combate ao coronavírus.

Ficou definido no documento que os alunos continuarão tendo direito ao benefício durante o isolamento, mas a ajuda será repassada em forma de dinheiro para a aquisição de alimentos.

Conforme o decreto, o programa é válido para alunos em que as famílias são cadastradas e beneficiadas por programas sociais, como o Bolsa Família ou equivalente, e são registradas na Secretaria de Estado da Educação. A transferência do aporte financeiro será disponibilizada pelo Cartão Bolsa Família, pelo Cartão Renda Cidadã, Cartão Cidadão ou diretamente na conta corrente/poupança do beneficiado.

Também ficou estabelecido no documento que o aporte diário, por aluno, será de R$ 5 por refeição. Os valores serão proporcionais ao número de dias de suspensão já decretados, chegando a R$ 75 nos 15 dias de isolamento. Caso novas suspensões ocorram, o valor será proporcional aos dias de paralisação. O decreto já passa a valer a partir desta quarta-feira, mas tem efeito retroativo a 16 de março de 2020.