Atualizada às 13h59.

Confirmada na manhã desta quinta-feira (26) a primeira morte em Goiás pelo novo coronavírus. A vítima é uma idosa de 66 anos, hipertensa, com diabetes, doença pulmonar obstrutiva crônica e recentemente teve dengue. Ela morava em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal (DF). O Governo de Goiás já demonstrava preocupação com o Entorno de Brasília, por conta da proximidade com o Distrito Federal (DF). Na noite desta quarta-feira (25), o governo do DF informou que o número de infectados lá tinha subido para 195.


A mulher recebeu o primeiro atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Ingá, em Luziânia, na noite do último dia 23 de março com tosse, febre e dificuldade respiratória há 10 dias. Na ocasião, ela afirmou que teria realizado viagem ao Distrito Federal antes do início dos sintomas. A paciente teria sido atendida, previamente, no Hospital Santa Luzia, onde passou por exames radiográficos e laboratoriais. 

Depois de ser atendida no hospital particular, ela iniciou um tratamento para pneumonia e foi orientada à procurar a UPA para internação, já que precisaria de tratamentos intensivos. Desta vez, uma nova radiografia foi solicitada com quadro sugestivo para pneumonia viral. A família também a submeteu a uma tomografia do tórax e o laudo apresentou alterações de provável natureza inflamatória ou infecciosa. O documento pedia que fosse considerada a Covid-19.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) afirma que o caso foi confirmado por exame laboratorial nesta quarta-feira (25) e na madrugada desta quinta ela foi transferida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o HDT, onde ocorreu o óbito.

Conforme relatório médico expedido pela UPA do Jardim Ingá na madrugada do dia 24 de março, a Vigilância Epidemiológica excluiu a paciente da coleta de exames para o novo coronavírus. A justificativa é de que o caso estaria fora do decreto federal de transmissão comunitária. Depois disso, a chefia da unidade entrou novamente em contato com a vigilância e o pedido foi de que a mulher fosse mantida em isolamento. A coleta seria feita “assim que possível”.

Por meio de vídeo, o secretário de Saúde de Luziânia, José Walter Marques Faria afirmou que cinco exames haviam sido feitos para casos suspeitos no município e um apenas deu positivo. “Com imenso pesar noticiamos o falecimento dessa senhora de 66 anos que já tinha outras patologias como hipertensão e problemas respiratórios crônicos. Foram feitas todas as medidas, ela foi entubada no nosso município e ela foi transferida para a Uidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Doenças Tropicais (HDT), em Goiânia e lá ela faleceu”, completou.