Apontado na última semana como um novo vírus transitando no Rio de Janeiro, o mayaro, uma espécie de primo do chikungunya, não é novidade em território goiano. No Estado, o primeiro registro de paciente infectado é de 1987, mas foi em 2015 que houve o maior número de casos confirmados, 63, de acordo com a Secretaria da Saúde de Goiás. Em 2018 a pasta apontou o registro de a...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários