Um gerente jurídico da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe) teria reconhecido em um documento interno a prática de organização criminosa, apropriação indébita e lavagem de dinheiro dentro da entidade religiosa, então liderada pelo padre Robson de Oliveira Pereira. A afirmação foi feita pelo promotor do Ministério Público de Goiás (MP-GO), Sandro Henrique Silva Halfeld B...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários