Na última terça-feira (5), a mãe de uma aluna do Colégio Estadual Dona Iayá, em Catalão, teria agredido a coordenadora da instituição, Vanessa Bittencourt, durante uma reunião sobre a conduta inadequada da filha. Agora, em entrevista à TV Anhanguera, a professora contou que foi a filha da suspeita que “se desesperou” e “pediu socorro”.

“Ela levantou, me empurrou, caí no chão, bati a cabeça no chão. Ela subiu em cima de mim com toda força, puxou meus cabelos e começou a bater minha cabeça contra o chão. Quem entrou em desespero e viu a agressão terrível foi a própria filha, que começou a pedir socorro”, afirmou Bittencourt.

“Eu tenho que erguer a cabeça e pensar que nós não devemos agir desta forma em momento algum com qualquer pessoa”, falou a vítima.

Desde que o caso aconteceu, moradores de Catalão se mobilizam em manifestações pedindo punição para mãe suspeita de agredi-la.

Acusações
A professora denunciou a mulher, porém, a Polícia Civil informou que a mãe da aluna também disse que foi agredida, mas não há imagens que comprovem. “A coordenadora disse que a mãe a chamou de incompetente, que não sabia lidar com adolescente e partiu para cima e começou a agredi-la, puxar cabelo, tapa e bateu a cabeça dela contra o chão. A mãe ficou em cima, e a coordenadora tentava se levantar e não conseguia”, explicou o delegado Vagner Sanchez Pedroso.

O caso foi registrado e as duas aparecem como vítimas e autoras. Ambas passaram por exame de corpo delito, mas os laudos ainda não foram concluídos. Elas irão passar por audiência no Poder Judiciário em outubro, quando também devem ser apresentados os resultados dos exames e serem ouvidas quatro testemunhas.

A Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte (Seduce) informou que está colaborando com as investigações e realiza o programa chamado "Repacificar", justamente para promover a paz dentro das instituições de ensino.