A Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO) vai começar a testar pessoas que estão entre os mais de 8 mil casos de suspeita do novo coronavírus. Atualmente, só são testados casos mais agravados da doença, mas a estratégia agora é começar a testar parte dos casos mais leves para se ter uma noção mais realista do avanço do vírus no Estado.

Goiás possui atualmente 705 casos confirmados de Covid-19, 27 óbitos e 8.612 casos suspeitos. Essa categoria de suspeitos é formada por pacientes que apresentaram o sintoma desde fevereiro, mas que não realizaram o exame.

Uma equipe técnica da SES-GO realizou um levantamento com as datas de notificação desses casos suspeitos e suas respectivas cidades para que sejam decididos os que deverão fazer o teste rápido. Só serão testados aqueles que se encontram dentro do período que há mais chances de ter anticorpos no corpo, que são identificados pelo teste rápido. O período inicial é a partir do 8º dia dos primeiros sintomas, mas o período final ainda será definido por pesquisadores.

Há uma percepção dentro da SES-GO que é preciso diminuir esse número de casos não suspeitos, que dariam a impressão para a opinião pública que o Estado não está testando o suficiente. Reportagem do POPULAR publicada na última segunda-feira (27), mostra que Goiás está entre os estados que menos testam sua população, quando se faz a comparação de exames feitos por 10 mil habitantes.

Além da aplicação dos testes rápidos em pacientes que se enquadram como casos suspeitos, também é planejado a realização de um inquérito sorológico, que é uma espécie de pesquisa por amostragem. Serão testadas porcentagens de todas os municípios goianos. Serão utilizados cerca de 30 mil testes rápidos nessa pesquisa.

A ideia foi sugerida pela Secretaria Municipal de Goiânia (SMS), que deve realizar o primeiro inquérito piloto. Aparecida de Goiânia também passa por esse planejamento. Pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) tem auxiliado no planejamento desse tipo de testagem.

As definições sobre a quantidade de testados, o grupo alvo e os questionários para as pessoas testadas estão sendo elaboradas. Quando estiverem prontas, as orientações serão repassadas para os municípios, que terão um coordenador responsável pela testagem. Os períodos de realização dos testes em cada município serão diferentes.

A expectativa é que, a partir desse maior número de testes realizados, será possível fazer uma projeção mais realista da pandemia em Goiás.

Gestores e técnicos do Governo de Goiás também têm discutido sobre diferentes possibilidades de utilizar os testes rápidos. A orientação do Ministério da Saúde (MS) é que sejam testados os profissionais de Saúde e de segurança, e seus familiares, com sintomas da doença. No entanto, há gestores que defendem ampliar esse público-alvo para profissionais de saúde de hospitais específicos, com mais casos de Covid-19, além de locais com índice alto de transmissibilidade, como os presídios.

Segundo dados mais recentes da SES-GO, Goiás possui 5.860 testes e já realizou 2.799, dos quais 2.422 tiveram resultado negativo. Na noite desta quarta-feira havia 166 amostras em análise no Laboratório Estadual de Saúde Pública (Lacen-GO).