A pesquisa feita na UFG verificou que áreas de preservação permanente (APPs) de nascentes e de lagos e lagoas “se concentram na classe muito alta, diante do alto grau de antropização identificado nessas duas modalidades”. O uso humano das áreas é a causa da degradação das APPs de alta prioridade à recuperação, que é a maior parte (46,11%). “No que se refere o cenário de...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários