Os longos congestionamentos atraíram vendedores ambulantes nos dois lados da ponte. É o caso de Windes Julião, que todos os dias deixa Itapaci, a 40 quilômetros, para vender doces no local. Windes contou que chega a faturar 200 reais por dia com suas rapaduras e pés-de-moleque, guloseimas que chegam ali de carro e são depositadas num carrinho de mão.Gente como ele e...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS

Navegue pelo assunto:

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários