Cena comum em cidades do interior - idosos reunidos na praça principal - está proibida em Aurilândia, município com maior porcentagem de habitantes com mais de 60 anos de Goiás. De seus 3.333 habitantes, 874 são considerados idosos pela legislação, grupo com mais chances de complicação do novo coronavírus (Covid-19).

Assim como Aurilândia, outras cidades goianas têm perfil semelhante em sua faixa etária. Dos 246 municípios do Estado, 39 tem mais de um quinto da sua população formada por idosos. A maior parte dessas cidades tem menos de 5 mil habitantes e fica concentrada na região Oeste de Goiás.

Médico infectologista, Boaventura Braz de Queiroz, considera que monitorar a porcentagem de idosos nos municípios é determinante para pensar políticas de combate ao novo coronavírus. Ele explica que pessoas com mais de 65 anos devem ser orientadas ainda mais, pelos gestores municipais, para manter o distanciamento social. As pessoas mais jovens que estão em isolamento com o idoso devem evitar o contato com ele.

O fato da maior parte das cidades com mais idosos ter população pequena facilita esse controle, avalia o infectologista. Ao ser questionado sobre a migração de pessoas de áreas com casos confirmados para o interior, Boaventura vê essa situação com ponto positivo e negativo.

“Essa migração é preocupante, mas por outro lado é eficiente. Ao retornar (de cidade com caso confirmado), deve-se manter isolamento da pessoa com mais idade. É preciso evitar contato principalmente nos sete primeiro dias, que tem risco maior do período de incubação da doença”, explica.

Secretária municipal de Aurilândia, Eliany Célia Moreira, conta que foram suspensas todas as atividades realizadas com os idosos da cidade, como ginástica e fisioterapia, além do cumprimento das medidas de isolamento social previstas em decreto estadual. No entanto, ela pondera que o cumprimento das recomendações está sendo um desafio.

“Um ou outro (idoso) acaba fugindo das regras. Acabam andando na cidade, sentando na praça. Acham que é abuso privar eles dessa liberdade. A gente tenta, devagar, com carinho e eles vão obedecendo”, descreve a gestora. Segundo ela, como a cidade é bastante pequena, todos se conhecem e os idosos são tratados como se fossem de uma mesma família.

Aurilândia conta com duas unidades do Programa da Saúde da Família (PSF) e casos de Saúde mais complexos são encaminhados para a vizinha, São Luís de Montes Belos, que fica cerca de 20 km de distância. O transporte é feito de ambulância ou furgão. Exames, consultas e retornos foram todos suspensos, para evitar o contágio. Só casos de urgência e emergência estão sendo atendidos.

Segundo lugar

Também na região Oeste, Novo Brasil é a segunda cidade com mais idosos do Estado. São 760 pessoas com mais de 60 anos, que representam 24% da população. “Como não tem faculdade e emprego, os jovens se deslocam, mudam para Goiânia para estudar e os pais foram ficando na cidade. Por isso tem muito idoso”, avalia a secretária municipal de Saúde, Gleicy Soares da Silva.

O pequeno município, que tem pouco mais de 3 mil habitantes, suspendeu consultas eletivas, com exceção do tratamento para pessoas com câncer e que precisam de hemodiálise. Todas as atividades com idosos, como grupo para hipertensos, foram suspensas.

A cidade tem duas ambulâncias comuns para transportar pacientes em estado mais grave. Ainda não houve nenhum casos suspeito do novo coronavírus, mas quando houver, a Prefeitura já possui dois kits de coleta do material genético.

 

Vacina contra gripe prioriza mais velhos

Goiás recebeu 176 mil vacinas contra a gripe que estão sendo repassadas para todos os municípios. O objetivo é imunizar contra outras gripes, sem ser o novo coronavírus, que ainda não tem vacina. 

A prioridade é a vacinação de idosos e profissionais da Saúde. No entanto, essa quantidade de vacinas ainda está longe do ideal. Goiás possui 850 mil idosos. 

Superintendente de Vigilância de Saúde de Goiás, Flúvia Amorim, garante que novas remessas de vacinas devem chegar nas próximas semanas e que todos devem ser vacinados. Ela afirma que a distribuição de idosos no Estado é avaliada no planejamento das ações de combate ao novo coronavírus. 

Na cidade com mais idosos de Goiás, Aurilândia, há expectativa para a vacinação contra outras gripes, que deve começar a ser feita na próxima segunda-feira (23), segundo a secretária municipal, Eliany Célia Moreira. “Para não ter aglomeração na sala de vacina, foi decidido montar equipes para ir de casa em casa”, explica a secretária.

Boatos
Eliany diz também que boatos acabam atrapalhando o cumprimento das medidas corretas de Saúde. Ela conta como exemplo a campanha de vacinação do ano passado contra a gripe, quando muitos deixaram de se proteger por causa de uma notícia falsa informando que idosos estavam morrendo após tomar vacina. 

A previsão é que dessa vez vai ser diferente. “Acho que esse ano a procura vai ser bem maior, ano passado quase tive que pegar paciente no laço para tomar vacina.”