O trecho goiano de rodovia federal com a qualidade do pavimento e sinalização mais preocupante, segundo os especialistas ouvidos pelo POPULAR, é o da BR-153 entre Anápolis e Uruaçu. A superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) em Goiás informou, por meio de nota, que, para esse ponto, providenciou três contratos para a conservação e manutenção da via. “Como é de conhecimento público, ela estava concedida ao Grupo Galvão e voltou recentemente para a nossa jurisdição. Os contratos foram providenciados, desde que o Dnit reassumiu o trecho em agosto de 2017, para garantir as condições de trafegabilidade dos usuários”.

Sobre a BR-452, o Dnit relatou que “atualmente temos dois contratos ativos de conservação/manutenção e na BR-020/GO, foi licitado e já está nos trâmites iniciais a execução do Programa Crema (Programa de Recuperação e Manutenção Rodoviária) 1ª Etapa na via”.

Radares

Como reportado pelo POPULAR em abril deste ano, as BRs terceirizadas estão com a fiscalização eletrônica aquém da necessária. Nesses trechos, de acordo com o Dnit, a responsabilidade para operar os equipamentos é das concessionárias. Mas, no caso da BR-153 Norte, por exemplo, esse serviço voltou para a União. Ao todo, 30 equipamentos estavam instalados ao longo da via. “A jurisdição retornou ao Dnit, mas nesse momento a licitação do Novo PNCV (Programa Nacional de Controle de Velocidade) já estava em andamento. Como no início do processo licitatório a rodovia ainda era concedida, ela acabou não sendo contemplada na licitação”.

O órgão federal informou que ainda não há previsão para um novo processo licitatório nesse trecho, fato que preocupa a PRF, que considera a situação perigosa para os usuários da via. “Temos autuado com os radares móveis em todas as rodovias goianas, com ou sem os radares, mas esse trecho já é problemático e perigoso. Quando os motoristas perceberem a falta dos radares as coisas vão piorar”, acredita o assessor de imprensa da PRF, inspetor Newton Morais.

Ele chama a atenção que há pouco mais de um mês a PRF flagrou um veículo VW Jetta trafegando a 196 quilômetros por hora na BR-153 em direção a Porangatu. “Dificilmente o motorista conseguiria fazer uma manobra para se livrar de um obstáculo e evitar um acidente nessa velocidade”, ressalta.

 

Concessionária diz fazer investimentos

A concessionária Via 040 que administra a BR-040, rodovia que conta com um trecho de 40 quilômetros entre os 100 mais perigosos do País, segundo a CNT, disse que tem investido continuamente em obras, equipamentos, manutenção do pavimento, conservação e melhoria da sinalização, “principalmente em pontos que demandam mais atenção dos motoristas”, desde 2014, quando assumiu a administração da via.

Em nota, a empresa afirmou que esses recursos têm auxiliado a diminuir os índices de mortes e acidentes no trecho. “Nos últimos quatro anos, houve redução de 35,3% nos acidentes com mortes na BR-040, se comparado aos quatro anos anteriores à gestão da concessionária”, relatou. Em Goiás, no trecho de Valparaíso, de 2015 a 2017, houve uma redução de 24% nos acidentes com mortes na rodovia, se comparado aos dados relativos aos anos de 2012 a 2014. Já na região de Luziânia, a redução foi de 42% nos acidentes fatais quando considerados os mesmos períodos”. Contudo, a concessionário não informou qual foi o valor investido na região. 

Sobre os acessos e retornos irregulares mencionados anteriormente na BR-040, a Via 040 relatou que “promoveu a adequação de acessos e retornos irregulares no trecho em questão, o que também contribuiu para aumentar a segurança dos usuários. Desde que assumiu a gestão da pista, a Via 040 promoveu a adequação de acessos e retornos irregulares no trecho em questão, o que também contribuiu para aumentar a segurança dos usuários”. No entanto, como solicitado pela reportagem, a empresa não disse quantos acessos ou retornos irregulares foram fechados.

Ainda no documento, a concessionária disse que, segundo o estudo, Acidentes Rodoviários e a Infraestrutura, da CNT, os investimentos contínuos em melhoria de asfalto e sinalização são dois dos principais fatores que contribuem para redução da quantidade e gravidade dos acidentes. A Via 040 acrescenta que, nos últimos quatro anos, instalou mais de 19 mil novas placas de sinalização, enquanto antes da concessão, o trecho possuía 5 mil placas”.