O governo de Goiás e a Prefeitura de Goiânia publicaram no final da tarde desta sexta-feira, dia 13, decretos que colocam, respectivamente, o Estado e o município em situação de emergência em saúde pública por causa da disseminação do novo coronavírus. Com isso, tanto o governador Ronaldo Caiado (DEM) como o prefeito Iris Rezende (MDB), estão autorizados a implementar uma série de medidas, como suspensão de eventos públicos e privados e visitações a locais com risco de contaminação. Nenhum deles suspendeu as aulas em estabelecimentos públicos e privados, mas deixaram em aberto a possibilidade em caso de orientação por alguma autoridade sanitária.

No caso do Estado, foram suspensos pelos próximos 15 dias todos os “eventos públicos e privados de quaisquer naturezas”, além de visitações a presídios e centros de detenções para menores e a pacientes internados com diagnóstico de coronavírus. No documento, o governador também determina que eventos esportivos poderão ser realizados desde que os portões estejam fechados para o público.

Já a prefeitura suspendeu as visitações públicas no Parque Mutirama e no Zoológico de Goiânia, cancelou os mutirões e as frentes de serviços programas e suspendeu apresentações da Orquestra Sinfônica de Goiânia e as atividades públicas do Teatro Goiânia Ouro, do Grande Hotel, conhecidas como “chorinho”; e do Centro Cultural Mercado Popular da 74.

Com relação às aulas em estabelecimentos de ensino públicos e privados, o decreto estadual afirma que poderão ser suspensas conforme “critérios epidemiológicos e assistências determinados pela autoridade sanitária”. Ou seja, por enquanto, a interrupção das aulas deverá ser avaliada caso a caso, como foi o caso de uma unidade particular no Setor Jaó que suspendeu as atividades por uma semana após uma funcionária ter tido confirmada a contaminação por coronavírus.

O prefeito também determina o afastamento de servidores municipais que retornarem de férias ou chegarem de locais com transmissão comunitária do Covid-19, sendo que os mesmos farão suas atividades via home office por 14 dias a partir da data de retorno.

Os decretos estão disponíveis em seus respectivos diários oficiais. Goiás teve os três primeiros casos confirmados da doença na quinta-feira, sendo dois em Goiânia, e há atualmente outros 21 casos no Estado sob suspeita em análise.

A partir de agora, tanto o Estado como o município estão autorizados a determinarem a realização compulsória de exames médicos, testes laboratoriais, coleta de amostras clínicas, vacinação e outras medidas para prevenção de doenças, além do tratamento médico específico. Ambos também poderão adotar a dispensa de licitação para aquisição e requisição de bens e serviços.

Os decretos estão disponíveis em seus respectivos diários oficiais. Goiás teve os três primeiros casos confirmados da doença na quinta-feira, sendo dois em Goiânia, e há atualmente outros 21 casos no Estado sob suspeita em análise.

 

Secretário prevê até 100 casos graves em Goiás

O titular da Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO), Ismael Alexandrino, afirmou que o governo trabalha com a previsão de que haja até 100 casos graves do novo coronavírus em Goiás nos próximos 4 meses – período considerado mais crítico de circulação do vírus no Brasil, segundo autoridades da área. 

“O quantitativo de pessoas graves é muito pequeno. Dificilmente teremos casos intermediários. O mundo está se comportando assim: ou tem casos que não exigem internação ou são muito graves”, disse Alexandrino em entrevista ao POPULAR disponível no perfil do Facebook e do Youtube do jornal.

O secretário frisou que apesar de o vírus ser transmitido “muito rapidamente” e que é dado como certo que haverá muitos casos, “o nível de gravidade não é grande”. De acordo com ele, muitas pessoas terão o coronavírus e ficarão assintomáticas ou vão se confundir com um resfriado simples.

O secretário diz que o governo tem adotado medidas necessárias para enfrentar o novo coronavírus de forma gradual, conforme as demandas vão surgindo. “Não se faz uma gestão de achômetro. A epidemiologia precisa nos nortear muito em relação às pandemias, então a gente toma as decisões no tempo correto. Fazer uma medida de forma antecipada pode estar fazendo o mal e aumentando a circulação de vírus.”


Escola suspende aula por 7 dias em Goiânia

A direção do Centro Integrado de Educação Moderna (Ciem), no Setor Jaó, confirmou a suspensão das aulas por sete dias após uma psicóloga da unidade ter sido diagnosticada com o novo coronavírus. Na manhã desta sexta-feira, a escola passou por uma desinfecção com uso de cloro ativo e outros produtos. As atividades retornam no dia 23 deste mês.

Durante esse prazo, a unidade afirma que vai avaliar todos os casos e buscar um retorno seguro para toda a comunidade. Em nota, a direção explicou que todos os profissionais que tiveram contato direto a psicóloga foram orientados a procurar a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) caso apresentem alguns sintomas do Covid-19. 
Em entrevista ao POPULAR, a psicóloga, de 31 anos, contou ao POPULAR que viajou sozinha aos EUA entre 16 de fevereiro e 3 de março e que está muito assustada com toda a repercussão do caso. A profissional relatou ainda que está em casa em isolamento e não apresenta sintomas como febre ou dores.

Também em Goiânia, a direção do Colégio Estadual Irmã Gabriela, no Conjunto Riviera, liberou os alunos na manhã desta sexta-feira depois que uma das estudantes do 3º ano do ensino médio apresentou sintomas de gripe. Ela havia acabado de chegar de uma viagem da Espanha com familiares.

Por precaução, os gestores da unidade preferiram encaminhar a adolescente para a unidade de saúde, depois de chamar e informar a mãe da estudante. A unidade irá passar por uma limpeza e desinfecção na segunda-feira, dia 16.

Universitários
A Universidade Federal de Goiás (UFG) adotou uma série de determinações elaboradas com o intuito de conter o avanço do novo coronavírus. Entre as medidas, está a restrição à participação de indivíduos pertencentes ao grupo de risco em atividades acadêmicas. As cerimônias de colação de grau que seriam realizadas em março foram suspensas. Pessoas que tiverem contato próximo a casos suspeitos ou confirmados da infecção devem se manter afastadas de suas atividades e procurar atendimento caso apresentem dificuldades respiratórias. (Carol Almeida e Ivânia Cavalcanti)