Atualizada às 13h48.

O menino de um ano e oito meses atacado por um jacaré em uma lagoa em Porangatu, no Norte de Goiás, teve parte do braço direito amputado. Segundo o médico intervencionista, Juliano Ferreira, que auxiliou no transporte, a amputação foi cerca de 10 centímetros abaixo da articulação do cotovelo.

Esse procedimento, segundo o profissional, possibilita no futuro a colocação de um braço mecânico com sensor e ele poderá ter o movimento de pinça realizando atividades como pegar objetos, copos e panelas. No momento do ataque, a criança estava com a babá e a atitude dela para o profissional foi heroica por tê-lo salvado.

A criança segue internada no Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol).No início desta tarde, o hospital informou que o menino está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave e respirando espontaneamente.  

O transporte até Goiânia levou cerca de uma hora e neste período a mãe relatou que a família mora perto da lagoa e que estava em casa quando ouviu um grito do filho, quando ela saiu ao portão viu a babá indo a sua direção com o menino no colo. “Ela (mãe) estava muito abalada. Penso que no íntimo ela já sabia que ele ia sofrer a amputação do membro. Conversei com ela.”

Ferreira, que atua no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Centro Sul de Aparecida de Goiânia e em conjunto com o helicóptero do Corpo de Bombeiros, contou que ontem ele e a aeronave estavam à disposição da força-tarefa que há 16 dias buscam por Lázaro Barbosa de Sousa, em Girassol, quando por volta das 10 horas foram avisados da ocorrência.

Ele explicou que a aeronave pousou em trecho da BR-070 para ser abastecida e em seguida foi para Uruaçu. Uma ambulância do Samu saiu de Porangatu para Uruaçu por terra e ficou esperando o helicóptero no aeroporto. O médico contou que essa manobra foi realizada para ganhar tempo. Se a aeronave fosse para Porangatu seria necessário desligar, reabastecer e aguardar o resfriamento da turbina, que leva em média 50 minutos.

No aeroporto, a aeronave não foi desligada, o médico desceu pegou a criança e a mãe e seguiram para Goiânia. Ainda de acordo com Juliano, a criança é filho caçula de quatro irmãos e o único menino. A equipe quando chegou ao hospital uma das irmãs da criança já estava no local.

Em nota, a prefeitura de Porangatu por meio da Secretaria de Meio Ambiente, se solidarizou com a família da criança atacada pelo réptil. O comunicado informa ainda que todos os procedimentos necessários em relação ao atendimento médico foram feitos para garantir a saúde da criança.

De acordo com a nota, a secretaria está tomando medidas “para reforçar ainda mais a segurança do local, como a implantação de mais placas educativas em locais específicos, além de um projeto de Remanejamento Ambiental junto ao IBAMA, em andamento, para proceder a retirada desses animais silvestres, jacarés e capivaras da lagoa grande e levá-los a um local seguro, de forma a reinseri-los em seu habitat natural e assim, garantir a segurança de todos que utilizam a lagoa como atividade de lazer.”