“Os outros estão na linha de frente e nós estamos onde? Você não vê ninguém falar em televisão. Ninguém fala de coveiro. Somos nós que pegamos aquele que morreu”. O desabafo é do coveiro do cemitério municipal de Goiânia, Vale da Paz, Donizete Ferreira, de 59 anos. Nos últimos dois meses ele trabalhou como nunca, enterrando vítimas do coronavírus. “A gente já enterrou m...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários