Goiânia teve um aumento de apenas 0,8 ponto porcentual no índice de isolamento social na quarta-feira (1º), primeiro dia útil após a publicação do decreto municipal que define novas regras para a quarentena que visa a reduzir a velocidade de contágio do novo coronavírus (Sars-CoV-2). 

O governo estadual e municipal quer que o índice fique acima de 50%, patamar considerado mínimo para que a taxa de contaminação do vírus não coloque o sistema de saúde em risco. Quanto menor o isolamento, maior o contágio. Na última medição, feita por um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG), a taxa estava em 1,6 e subindo.

De acordo com a empresa In Loco, que faz a medição do isolamento por monitoramento a partir de dados de localização criptografados de telefonia celular, a capital registrou 38,2% de índice de isolamento em 1º de julho, contra 37,4% na terça-feira.

Na segunda-feira (29), quando foi publicado o decreto estadual que serviu de parâmetro para o documento municipal – o prefeito Iris Rezende (MDB) decidiu seguir à risca o que foi determinado pelo governador Ronaldo Caiado (DEM) -, Goiânia apresentou um índice de 37,5%.
 
Entretanto, em comparação com a quarta-feira da semana passada (24), o aumento foi maior, de 2,9 pontos porcentuais, pois naquele dia o índice ficou em 35,3%.

Considerando apenas os dias úteis, a média em Goiânia na atual semana (37,7%) é maior do que a da semana anterior (35,5%). A pior semana na capital foi entre os dias 15 e 19 de junho, quando a média ficou em 34,6%.

Ainda entre os piores
O aumento no índice de isolamento foi notado não apenas em Goiânia. No Estado, o índice passou a ficar acima de 37% desde segunda-feira. A média está em 37,2% contra 35,3% na semana anterior. A conta exclui os sábados e domingos, quando a média sobe, mas ainda abaixo de 50%.

Mesmo aumentando o índice de isolamento, Goiás ainda está entre os piores Estados neste quesito, ficando à frente apenas do Tocantins, que segue com uma média de 33,9% nesta semana.

A última vez que Goiás atingiu mais de 50% de isolamento foi em um domingo, no dia 19 de abril. E a última em que o Estado registrou mais de 37% em um dia útil foi em 25 de maio.

Não é a primeira vez que o governo estadual tenta aumentar o rigor das restrições de atividades econômicas e sociais. No dia 11 de maio, o governador sugeriu um decreto revogando o da flexibilização de 19 de abril e chegou a fazer uma reunião com prefeitos e representantes da sociedade civil organizada, mas desistiu da proposta três dias depois ao não ter recebido apoio de ninguém.

Dos 246 municípios, apenas 19 registraram 50% ou mais de isolamento no dia 1º de julho, entre eles Diorama, Bonópolis e Uirapuru.