Todos os dias, a professora de matemática aposentada e pastora Vilma Ribeiro Rodrigues, de 69 anos, passava na porta da videolocadora do cunhado Juvenal Borges de Almeida, de 52, e perguntava: “Tá tudo bem aí?”. A pergunta, despretensiosa, mas cheia de cuidado, demonstra bem a personalidade zelosa da mulher. Entretanto, após Vilma morrer devido a complicações causadas pelo n...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários