As academias ao ar livre localizadas nos parques de Goiânia serão isoladas a partir desta quarta-feira (8) pela Prefeitura de Goiânia. A medida foi anunciada após o poder público constatar a aglomeração de pessoas nestes locais, desrespeitando as orientações das autoridades sanitárias de prevenção ao novo coronavírus (Covid-19). Em nota, o Paço afirmou que “pequena parte da população ainda está relutante no cumprimento de algumas determinações”.

O isolamento se dará por meio de fitas zebradas que serão colocadas pela manhã e também através de monitoramento por guardas civis e policiais militares durante as rondas.

A ação da prefeitura terá início em parques com maior índice de concentração de pessoas, no caso o Vaca Brava, no Setor Bueno, o Areião, no Setor Marista, e o Flamboyant, no Jardim Goiás.

A decisão da prefeitura atende a uma recomendação feita pela promotora Alice de Almeida Freire, do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO). Em seu pedido, ela cita as academias e os brinquedos situados nas praças e nos parques,

Alice chama a atenção para o fato de que o fechamento de academias de ginástica fez aumentar a frequência de pessoas aumentasse nestes espaços públicos. “Há a necessidade de se evitar medidas extremadas como a adotada pela prefeitura de São Paulo, que determinou o fechamento de todos os parques daquela cidade”, afirmou a promotora por meio de nota.

Atualmente, Goiânia conta 17 parques com equipamentos de ginástica. O uso destes aparelhos é condenado por especialistas por serem compartilhados, inclusive por pessoas assintomáticas à doença, que, sem saber, podem contaminar os equipamentos e transmitir a outros usuários que poderão infectar outras pessoas, contribuindo para a disseminação geométrica da doença.

“Sabemos da importância e da necessidade que muitos possuem de realizar exercícios físicos e que, com a determinação para fechamento das academias privadas, muitos têm buscado outros meios. Infelizmente estamos enfrentando um momento incomum e que coloca em risco a vida de toda a população e, por esse motivo tanto a gestão municipal quanto a estadual, estão tendo que tomar atitudes mais severas”, destaca a titular da Seplanh, Zilma Percusor Campos Peixoto.