A professora do Centro Brasileiro de Reabilitação e Apoio ao Deficiente Visual (Cebrav), Jandira Azevedo da Silva, de 46 anos, moradora do Conjunto Vera Cruz II, enquanto caminha para o trabalho no Setor Oeste muitas vezes ignora a existência do piso tátil implantado em algumas calçadas da capital, apesar da deficiência visual. “Dependendo do jeito que é feito, é melh...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários