Como tudo aconteceu?

Foi de manhã, eu tinha saído para o trabalho, como todo dia. Tinha cinco minutos que o Yuri, meu filho de 18 anos, tinha chegado em casa. Ele tinha ido deixar meu bebê de um ano no berçário. Ele tinha acabado de chegar em casa e aconteceu isso. Eu estava no trabalho (chora) e sei que poderia ser ainda pior (chora). Se meu bebê estivesse em casa, ele não teria sobrevivido. Mas só Deus sabe o que eu estou passando. Eu não sei o que fazer, quero meu filho comigo.

Qual a atual situação do seu filho mais velho?

Ele está em estado grave, mas o médico disse que não corre risco. Ele ainda está intubado e sedado. Teve uma fratura no tórax e um trauma no pulmão causado pela água e pela lama, mas está fora de risco, segundo o que o médico disse. Eles me disseram que vários médicos vão avaliar para me dizer direitinho como ele está. Eu creio que Deus está cuidando dele e vai me ajudar a ter meu filho de volta em breve, logo ele estará de volta comigo.

Mas existe algum procedimento programado para recuperação do seu filho?

Por enquanto vão retirar a sedação aos poucos e ver a resposta dele, como ele vai reagir. Mas Deus é misericordioso e sei que meu filho vai se recuperar, vai ficar bom, sem sequela ou problema. Eu quero meu filho de volta, quero ele perto de mim. Ele estava em casa, estava seguro. Ele estava dentro de casa e acontece isso com ele. Eu não consigo acreditar, ainda estou muito abalada.

Como ficou a sua casa depois desse acidente?

Destruída. Não tem nada. Não tem uma parede de pé. Não tenho documentos, roupas, móveis, nada. É impressionante olhar como tudo está. (Chora) Eu nem sei como vou fazer daqui pra frente. Era a minha casa, que demorei conquistar. Não sei mesmo, é tudo muito recente e não tive tempo pra pensar. Por enquanto vou ficar na casa da minha irmã, depois vou pensar nisso. Meu foco agora é que meu filho fique bom logo. Com ele do meu lado, eu recomeço do zero, eu levanto tudo de novo. Mas sem ele, eu não vou conseguir. (Chora)

E o seu bebê? Como ele está?

Ele está com a minha irmã. Graças a Deus ele não estava em casa, ele tem só um aninho e não entende tudo que estamos passando. Vim pro hospital para acompanhar a evolução do Yuri e ele ficou lá. Não tenho condição de trazer porque não sei o que vou precisar fazer aqui e quanto tempo vou ficar. O que eu sei é que só saio daqui com o Yuri. Vou na minha irmã, que também mora no Canedo, daqui a pouco para tomar um banho e volto para o hospital. Quero estar aqui quando ele acordar. Mas perdi roupa, sapato, agasalho, tudo. Vou ver como me viro até conseguir colocar a cabeça no lugar.

Você já recebeu algum tipo de ajuda?

Alguns amigos me transferiram dinheiro para que eu pudesse pagar o transporte do hospital para a casa da minha irmã e para voltar ao hospital. Algumas pessoas disseram que querem ajudar, mas eu ainda não tive cabeça para pensar nisso. Só quero que meu filho volte logo para mim, a casa a gente resolve depois. Não sei se vou conseguir reconstruir, o que vou fazer e eu nem tenho cabeça pra isso agora. Mas com certeza vou precisar de ajuda porque perdi tudo.