A Secretaria Estadual de Saúde de Goiás (SES-GO) divulgou nesta quarta-feira (4) a atualização das notificações de casos de sarampo ocorridas até esta terça-feira (3). Ao todo já foram notificados 64 casos suspeitos da doença em 22 municípios goianos. A pasta informou que 35 destes já foram descartados e 26 estão sendo investigados. Até o momento são três notificações confirmadas: uma em Alto Paraíso e duas em Goiânia.

As confirmações, segundo a SES, têm relação direta com o surto instalado em São Paulo, “considerando que dois casos têm histórico de viagem para o Estado no mês de julho”. Os novos casos ocorrem após 20 anos sem nenhum registro em Goiás.

A Secretaria de Saúde informou que adota medidas contra a doença e executa um Plano de Contingência do sarampo no território goiano. Entre as ações estão o incentivo à vacinação de forma seletiva de pessoas não vacinadas, conforme recomendações do Ministério da Saúde  – inclusive com atualização do cartão de vacinas de profissionais de saúde -, e monitoramento e bloqueio vacinal dos contatos de casos suspeitos em tempo oportuno de até 72 horas. (Confira ao final da matéria os dados dos municípios em Goiás)

Brasil

Os dados de sarampo no País também foram atualizados pelo Ministério da Saúde e divulgados nesta quarta-feira. Entre 9 de junho e 31 de agosto, 2.753 casos de sarampo foram confirmados no País. No período, houve quatro óbitos em decorrência da complicação do quadro de saúde dos pacientes: três em São Paulo e um em Pernambuco. Conforme destacou o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, três dos mortos tinham menos de 1 ano de idade.

Com relação ao boletim divulgado na quarta-feira (28), houve aumento de 18% no número de pessoas infectadas. Segundo o Ministério da Saúde, o número se deve à confirmação clínica de casos que estavam em investigação.

Ao todo, a pasta recebeu a notificação de 20.292 suspeitas da doença, das quais 2.109 foram descartadas. O restante ainda está sob investigação. Os casos confirmados estão concentrados em 13 Estados, sendo a maioria 98,37%, em São Paulo (2.708), seguido do Rio Janeiro (15), Pernambuco (12), Distrito Federal (3), Goiás (1) – os dados do Ministério são anteriores aos apresentados pela SES-GO, Paraná (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Bahia (1), Sergipe (1), Santa Catarina (7) e Piauí (1). 

Vacinação

Como prioridade, o governo federal estabeleceu a vacinação de todas as crianças com idade entre 6 meses e 11 meses e 29 dias, grupo em que a doença pode, facilmente, se tornar letal. Nesse caso, é aplicada a chamada dose zero.

Outra recomendação é que, ao completar 1 ano de idade, as crianças recebam a primeira dose. A segunda dose, a última a ser tomada por toda a vida, é aplicada aos 15 meses de idade. (Com informações da Agência Brasil)