O policial militar que agrediu com golpes de cassetete o estudante universitário Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, durante manifestação em Goiânia da greve geral contra as reformas da Previdência Social e trabalhista da última sexta-feira, não quis se manifestar sobre o fato. Procurado pela reportagem, o capitão da PM Augusto Sampaio de Oliveira Neto, que é subcomandante da 37ª Companhia Independente da Polícia Militar, em Goiânia, desligou o telefone assim que a reportagem se identificou. Antes, confirmou ser o capitão Sampaio. A reportagem voltou a procurá-lo por telefone, mas sem sucesso.

Um tenente-coronel disse que o uso indevido da força por parte do militar se deu pela falta de armamento químico, o que não foi confirmado pela corporação.