A solução financeira para o sistema de transporte coletivo da região metropolitana de Goiânia volta a ser discutida apenas no âmbito administrativo, ou seja, sem a obrigatoriedade judicial, depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a liminar concedida pela Justiça de Goiás ao Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (SET) no fim de abril. O plano emergencial feito pelo governo estad...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários