Atualizada às 10h24

Após o primeiro dia útil da publicação do decreto 9.653 que flexibilizou as medidas de isolamento social, os terminais de ônibus amanheceram lotados na manhã desta quarta-feira (22). Logo no início da manhã, por volta de 7 horas, um vídeo enviado à TV Anhanguera mostrou um ônibus da linha Eixo Anhanguera lotado e aglomeração no Terminal Vera Cruz. Às 9 horas a situação do Eixo já era diferente, mas aglomerações continuavam em pelo menos dois terminais da capital: Praça A e Praça da Bíblia.

A estimativa da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) era de que as validações chegassem a cerca de 220 mil nesta quarta-feira (22), com aproximadamente 100 mil usuários. O número  representaria uma alta de 185% se comparado às 77.180 validações ocorridas há exatas quatro semanas, no dia 25 de março. Isso porque o último decreto do Estado, assinado pelo governador Ronaldo Caiado prevê mais pessoas fora de casa. Ainda assim, o documento manteve as regras ao transporte coletivo, em que só é possível transportar passageiros na capacidade de usuários sentados por ônibus.

Por volta das 7 horas, ônibus do Eixo Anhanguera estavam lotados e circulando com pessoas em pé. Às 9 horas, as pessoas já conseguiam sentar e os ônibus transportavam apenas pessoas sentadas. As plataformas do Eixo também não apresentavam aglomerações e a maioria dos passageiros estava utilizando máscara, conforme prevê o decreto estadual.

A realidade era diferente nas plataformas de linhas convencionais, mesmo no meio da manhã. Por volta de 9h15, passageiros se aglomeraram nos terminais Praça A, em Campinas e Praça da Bíblia, no setor Leste Universitário. Nos dois, a maior parte dos passageiros utilizava máscara de proteção individual. Em Campinas, passageiros lotaram as plataformas de embarque das linhas 171, 911, 001 e 400. No Leste Universitário, o mesmo aconteceu nas linhas que tinham como destino o Terminal Garavelo, por exemplo.

Em matéria publicada nesta quarta-feira (220, a CMTC afirmou que vai tentar discutir com a Prefeitura de Goiânia uma solução para evitar as aglomerações. A proposta da companhia é estabelecer um escalonamento de horários para os usuários no período de pico da manhã. Pela proposta, às 6h o transporte seria para garis e coletores e trabalhadores de postos de combustíveis e panificadores. Às 7h, os ônibus seriam para a área de saúde e construção civil e indústrias alimentícias e farmacêuticas; em seguida, seriam para domésticas, faxineiras, vigilantes, porteiros, zeladores e funcionários em drogarias. Às 9h, trabalhadores de supermercados e demais locais liberados pelo Estado e, às 10h, as agências bancárias.