Após o rompimento da barragem da Vale no Córrego do Feijão, em janeiro desse ano, com 240 mortes confirmadas e 32 desaparecidos, outra estrutura da empresa ameaça entrar em colapso. Na última segunda-feira (13), a mineradora informou ao Ministério Público do Estado de Minas Gerais que o talude da Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG) está se movimentando quatro...

Olá, esta matéria é exclusiva para assinantes.

Não sou Assinante.

Para ler a matéria você pode usar as chaves de convidado e desbloquear o conteúdo.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários