Nesta semana um dos casos esclarecidos com o resultado de DNA positivo no programa É Legal Ter Pai, do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), envolve um frentista de 24 anos e uma dona de casa de 23. Ambos pediram para não serem identificados na reportagem. “Quando contei que estava grávida dele, ele disse que queria fazer o teste de DNA para confirmar, então depois de...

Você se interessou por este conteúdo?

Seja nosso convidado.

É só usar as chaves para abrir até
5 conteúdos por mês.
QUERO ASSINAR
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários