Desde o início da pandemia de coronavírus em Goiás até agosto, 136 pessoas morreram na fila por um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivo para a doença. Mais da metade desses óbitos ocorreu em julho: 71. Entre os motivos estão a demora para o primeiro atendimento, a falta de leito com especialidade necessária, o agravamento do estado de saúde, que impo...

Você se interessou por esta matéria?

Assinar O Popular

Você terá acesso ilimitado
a todo o conteúdo
VER PLANOS
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.

Comentários