Política

Filho do presidente da Assembleia do Rio é alvo de mandado de prisão

Operação é um desdobramento da Lava Jato; há ordem para buscas no gabinete de Jorge Picciani

Guilherme Pinto/Agência O Globo/Divulgação
O presidente da Assembleia Legislativa do RJ (Alerj), Jorge Picciani (PMDB)

A Polícia Federal está nas ruas nesta terça-feira, 14, para cumprir mandados judiciais em desdobramento da Operação Lava Jato. Um dos alvos é Felipe Picciani, filho do presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani (PMDB).

Newsletter O POPULAR - Receba no seu e-mail informação de confiança

* preenchimento obrigatório

Os pedidos são da segunda instância da Procuradoria da República. Há ordem para buscas no gabinete de Jorge Picciani. Também estão na mira da operação o empresário Jacob Barata Filho, o ‘Rei do Ônibus’, e o ex-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor), Lélis Teixeira.

O ‘Rei do Ônibus’ e Lélis Teixeira foram presos pela Operação Ponto Final em julho. Por ordem do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em agosto, os dois foram colocados em liberdade.

A família Picciani foi um dos alvos do acordo de leniência da Carioca Engenharia em abril do ano passado. A matemática Tania Maria Silva Fontenelle, ligada à empreiteira, afirmou que comprou vacas superfaturadas da empresa Agrobilara Comércio e Participações Ltda para ‘gerar dinheiro em espécie’ para a empreiteira. A Agrobilara pertence à família Picciani.

“Agrobilara Comércio e Participações LTDA, mediante a compra, por empresa do grupo da Carioca Engenharia, de animais bovinos com preços superavaliados; que os animais (vacas) foram efetivamente entregues, porém parte do valor pago foi devolvida em espécie à Carioca Engenharia”, afirmou Tania.

A executiva ligada à Carioca afirmou que ‘simplesmente atendia as solicitações de obter dinheiro em espécie e entregava a quem fazia a solicitação ou a pessoas da empresa por eles indicadas’.

“Obviamente sabia que a destinação dessas quantias era ilícita, para corrupção ou para doação eleitoral não-declarada; que, entretanto, não manteve contabilidade ou controle disso, pois estava há muitos anos na empresa, tinha a confiança dos acionistas e eram recursos não oficiais que normalmente entregava aos solicitantes”, declarou.

Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.