Reportagem nessa edição traz elementos para uma importante reflexão ambiental. Ninguém ousa discordar que o Rio Araguaia seja um patrimônio afetivo dos goianos, numa relação que a cada nova temporada se fortalece. Porém, o afeto não se traduz em respeito, se levarmos em consideração a monumental quantidade de lixo deixada nas 25 praias que ficam no leito do rio que corta o município de Aruanã.

Nesse ano, a prefeitura local recolheu 175 toneladas de lixo deixados na natureza, após os acampamentos. Os rejeitos vão de cadeiras e churrasqueiras até vasos sanitários e pneus. O volume de lixo daria para encher 12 caminhões da Companhia de Urbanização de Goiânia. A média diária ficou em 8 toneladas.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Aruanã chegou a fazer um trabalho de conscientização, visitando acampamentos e chamando a atenção para a importância de se pensar na destinação do lixo por parte dos turistas.

Contudo, como não é possível designar um fiscal para cada acampamento, é vital que o turista assuma para si essa responsabilidade, sob pena de degradar o endereço que todo goiano aprendeu a amar.