Com uma doença rara chamada dermatopolimiosite, a médica brasileira, Letícia Franco, anunciou que vai se submeter ao procedimento chamado de ‘morte assistida’. O mal provoca inflamação crônica da musculatura, dores pelo corpo e nos músculos, febre baixa, desânimo e dificuldade para se movimentar. 

A notícia foi publicada pela própria médica, nessa quinta feira (1), em sua página no Facebook. A postagem gerou muitos comentários e a publicação foi apagada poucos minutos depois. A informação é do portal O Livre.

“Em 16 dias, estarei longe, na Suíça, fazendo o que me deixará livre da dor e do medo. Acho que amanhã ou depois desligo esse Facebook […] A toda minha família, deixo meu mais sincero amor”, escreveu ela.

Estudos comprovam que a incidência da enfermidade varie de 2 a 10 pacientes a cada um milhão de pessoas por ano. Em uma publicação da Sociedade Brasileira de Reunatologia, esclarece que é difícil o diagnóstico por ter poucas maneiras de manifestação da doença.

A morte assistida é proibida no Brasil. Holanda, Bélgica, Suíça e Alemanha estão entre os países que a permitem, além de alguns estados do Canadá e dos Estados Unidos.