Aos 70 anos, o mineiro de Monte Carmelo, Antônio Moreira, é uma campineiro de adoção. "De coração", emenda com convicção. Tanto é verdade o envolvimento do escritor com o bairro goianiense que ele agora reedita Campininha das Flores - Biografias e Ensaios.


O livro será lançado hoje, em um clássico endereço campineiro: na esquina entre as ruas José Hermano com a Rio Grande do Sul, em frente à Praça da Matriz de Campinas. Lá fica o Colégio Santa Clara, onde Antônio vai autografar a segunda edição da obra que vem "com mais 300 páginas", explica de pronto. "É uma versão ampliada", resume.

Inicialmente, Campininha das Flores - Biografias e Ensaios apareceu para comemorar os 200 anos de criação da cidade que virou bairro de Goiânia. Na data 9 de julho de 2010, apareceu o livro com 200 páginas. "Eram 90 depoimentos de moradores, agora esse número subiu para 300", detalha sobre a segunda edição. Além de novos depoimentos, o livro traz fatos curiosos da história de Campinas e ensaios assinados por apaixonados pelo bairro.

O apego aos números é necessário. Antônio entende que, com a ampliação, conseguiu abranger a característica central do setor: a disposição em acolher. Ele próprio foi um dos "acolhidos" pelas campinas goianas.

"Campininha sempre foi generosa com seus moradores, seus filhos e até com os emigrantes", conta o mineiro que viveu 50 anos no bairro. O atual morador da Nova Suíça entende que o setor perdeu a vocação familiar que marcou a história de sua criação. Refuta a ideia de que o local entrou em decadência. "Não vejo Campinas como um bairro decante, mas em transformação, que abraçou o comércio", analisa.

Mudanças brutais

Como era de se esperar, segundo Antônio Moreira, Campinas "passou por mudanças brutais" desde que adotou o comércio como principal estampa. Dois exemplos dão uma dimensão dessa realidade: os megacongestionamentos no trânsito - sobretudo nas manhãs de sábado - e o declínio da população. "Em 1960, eram 25 mil pessoas na região central de Campinas, hoje são 12 mil habitantes", explica. "O comércio, queira ou não, expulsou as famílias de Campinas", indica.

No coração nostálgico de Antônio ficaram boas lembranças. As pescas e os mergulhos nos hoje poluídos rios Cascavel, Meia Ponte e Anicuns. Os filmes vistos nos cines Avenida, Campinas e Eldorado - que não existem mais. E, sobretudo, o jogo ingênuo do vaivém na então tranquila e segura Praça Coronel Joaquim Lúcio Setor. "Era o local onde namorávamos", termina com uma pitada incontida de saudade.

Lançamento do livro: Campininha das Flores -
Biografias & Ensaios / Autor: Antônio Moreira
Editora: Kelps
Local:Colégio Santa Clara - Rua José Hermano, esquina com Rua Rio Grande do Sul, Campinas
Horário: 19h30
Preço: R$ 40
Informações: 3259-9834 e 8118-6098