Magazine

Entre os próximos destaques da 11ª O Amor, A Morte e As Paixões está Suburbicon

Obra tem George Clooney como diretor, com roteiro dos irmãos Coen criticando a classe média branca americana

Divulgação
Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso: roteiro em tom satírico fala sobre “santidade” e hipocrisia dos americanos médios

Os primeiros cinco dias da 11ª mostra O Amor, A Morte e As Paixões foram marcados por algumas decepções mas também gratas surpresas diante da diversificada, e parcialmente inédita, lista de filmes. Foi preciso organização dos cinéfilos frequentadores para que conseguissem acompanhar o cardápio do festival, que ocorre no Lumière Bougainville e traz 116 produções de 36 países com sessões exibidas diariamente entre 10h30 e 23h15. O experimentalismo de Eugène Green, com O Filho de Joseph, por exemplo, dividiu opiniões. Já a fantasia nada boba de Rosemary Myersm, com O Sonho de Greta, preencheu a sala de cinema com boas vibrações. Um dos grandes destaques dessa primeira metade do festival foi o desempenho de George Clooney atrás das câmeras, com Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso (2017), e a confirmação de que a parceria do ator com os irmãos Coen vai muito bem.

O roteiro corajoso, e como sempre peculiar e satírico, de Joel e Ethan ganhou vida sob a direção de Clooney que contou com um elenco de primeira para falar sobre a “santidade” da classe média branca e o orgulho hipócrita dos americanos pós Donald Trump. Com seus personagens excêntricos, moralmente vazios e completamente descompromissados com alguém que não sejam eles mesmos, Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso arranca risadas enquanto choca os mais puritanos por sua estrutura de comédia de erro e pelo humor negro. A trama se passa em um subúrbio americano dos anos 50 e gira em torno da mudança de uma família negra, os Meyers, para o local e da revolta da vizinhança que pede a expulsão dos novos moradores em nome da segurança daquela terra das oportunidades.

Uma rua acima moram os Lodges. A família de Gardner (Matt Damon) e Rose (Julianne Moore) é invadida e a mulher, que vive em uma cadeira de rodas, é morta. Para ajudar a cuidar do filho do casal, Nicky (Noah Jupe), a irmã gêmea de Rose (também vivida pela magnífica Julianne Moore) passa a morar na casa. É ela quem recebe o auditor da seguradora, Roger (Oscar Isaac), e se mostra estranhamente interessada no dinheiro. A partir daí, o roteiro caminha para o caos onde um fator desencadeia algo ainda mais absurdo que o outro e assim por diante. A presença dos Coen não está apenas no percurso narrativo, mas também na composição visual que dá um tom bizarro, caricato e sarcástico a todo o longa.

Suspense

Os primeiros dias da mostra O Amor, A Morte e As Paixões também foram marcados pela qualidade do suspense canadense UNA (2016), que conta, com delicadeza e coragem, a história de uma jovem (Rooney Mara) que foi abusada sexualmente. Na trama, o diretor Benedict Andrews dá ao abusador, Ray (Ben Mendelsohn), o benefício da dúvida questionando os limites entre desejo e amor. O filme será reexibido no sábado às 16h20. Já o drama alemão Em Pedaços (2017) conta a história da alemã Katia (Diane Kruger) e o marido turco Nuri (Numan Acar). Ele e o filho são misteriosamente mortos durante um ataque possivelmente xenofóbico. Assim que Katia descobre que os responsáveis foram integrantes de um grupo neonazista ela sai em busca de justiça. O longa volta para a agrade de exibição na sexta, às 19 horas.

NICOLA DOVE
Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso: roteiro em tom satírico fala sobre “santidade” e hipocrisia dos americanos médios
Photo Credit: Hilary Bronwyn Gay
Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso: roteiro em tom satírico fala sobre “santidade” e hipocrisia dos americanos médios
Comentários
Os comentários publicados aqui não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade de seus autores.