Fonte de águas quentes, cachoeiras, moda, gastronomia, eventos e até de fé e saúde, Goiás tem conquistado maior participação no turismo brasileiro. O efeito é direto para a geração de empregos. Apesar de as oportunidades não transbordarem por conta dos efeitos da crise econômica, análise da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostra que o Estado foi o segundo com maior número de contratações nos últimos 12 meses.

O saldo da diferença entre admissões e demissões foi de 1.983, o que deixou o Estado atrás apenas de São Paulo (10.681). Entre os segmentos que mais ajudaram a ir contra a correnteza de demissões enfrentada no País – especialmente no Rio de Janeiro (-12.272) –, estão hospedagem e alimentação, com 1.992 vagas abertas. Restaurantes e similares foram os maiores impulsionadores do emprego (1,063) no setor. Depois vêm hotéis (929), serviços de lazer (40) e agentes de viagem (35).

Isso sem considerar as sazonalidades, conforme estudo da CNC, que tem como base dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). As fontes de vagas tendem a aumentar, já que estão previstos novos empreendimentos no Estado, como o parque aquático Dream Park, em Hidrolândia, hotéis como Clarion e Radisson, em Goiânia, e até o resort Hard Rock em Caldas Novas.

“Sem considerar Goiânia, Aparecida e Anápolis, o turismo em Goiás fez com que cidades do interior tivessem aporte de 22% a mais”, revela o superintendente do MTE em Goiás, Eduardo Amorim. Como a cadeia é ampla, ele pontua que para aproveitar as oportunidades, que têm surgido mesmo em período de pouca circulação de capital, é importante que os trabalhadores atentem à qualificação, o que faz com que empresas tenham inclusive de trazer pessoas de fora do Estado. Isso ocorre principalmente no caso de cargos de gestão.

A gestora executiva do Dream Park, Ana Claúdia da Silva, de 45 anos, é um dos exemplos. De Minas Gerais, ela veio para Goiânia pela oportunidade de trabalhar no empreendimento, que tem previsão de ser inaugurado em dezembro e vai gerar 600 empregos diretos. “É uma área promissora aqui”, defende. Ela é especialista em gestão de empresas e tem no extenso currículo experiência com mercado financeiro e pela primeira vez aposta no entretenimento.

Ana foi descoberta pela empresa pela alta qualificação e passou por processo seletivo disputado. “Mapeamos as vagas e temos política de treinamento”, completa o sócio investidor do Dream Park, Vinícius Andrade, sobre necessidade de capacitar e de encontrar profissionais para cada área. No caso da Atlantica Hotels, responsável pelo Clarion e Radisson – que têm previsão de inauguração para novembro e primeiro semestre de 2019, respectivamente –, há universidade corporativa, um portal com cursos de treinamentos para os colaboradores.

A previsão é a geração de até 130 vagas e a principal dificuldade é com gerência geral, em que há necessidade de um profissional com experiência nos padrões e procedimentos dessas bandeiras internacionais. “Conseguimos captar profissionais oriundos de outras áreas, o que também é um reflexo da crise econômica e do desemprego”, pontua o diretor divisional de Operações da Atlantica Hotels, Igor Camaratta. Ele lembra, no entanto, que a empresa já atua em seis hotéis no Estado, há possibilidade de promover profissionais e o mercado possui mão de obra qualificada que pode suprir “as posições desejadas em ambos os hotéis”.

Na hotelaria há 15 anos, Patricia Rodrigues de Oliveira Moreira da Silva é de Goiás e trabalhou em redes importantes no País de Aracaju (SE) a Caldas Novas. Mudou-se para Aragarças para ser gestora do Thermas Água Santa, que iniciou as operações em julho e contratou 28 pessoas. Faz parte dos goianos que já têm experiência e alta qualificação para aproveitar as mudanças e oportunidades do setor.

NOVA REGIÃO

Em nova região para o turismo, que tem entre os atrativos água quente e o Rio Araguaia, lembra que a própria cidade se organiza para o turismo e os reflexos que um fluxo maior pode trazer. A intenção é qualificar a mão de obra local para o atendimento do público não deixar a desejar nesse ramo exigente.

Já no roteiro tradicional das águas quentes, Caldas é considerada fonte de profissionais. Como haverá comercialização pelo sistema de propriedade fracionada no Hard Rock, empreendimento previsto para 2022, só a equipe comercial reunirá 150 pessoas. “Nesse caso, não há dificuldade, corretores de imóveis que nunca trabalharam com fração são treinados”, exemplifica o diretor comercial da New Time, João Paulo Mansano.