O índice de atividade econômica em março veio ainda abaixo do piso do intervalo das estimativas. Conhecido como uma espécie de "prévia do BC para o PIB", o Índice de Atividade do Banco Central (IBC-Br) serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. O recuo de 0,13% do índice no trimestre encerrado em março (primeiro trimestre deste ano), ante os três meses anteriores, representa a primeira queda trimestral desde julho do ano passado.

Na época, houve baixa de 0,03% do IBC-Br no trimestre encerrado em julho. Os dados dizem respeito à série com ajuste sazonal. Considerando apenas os primeiros trimestres de cada ano, o recuo deste ano é o primeiro desde 2016, quando houve retração de 1,60%. No primeiro trimestre do ano passado, o IBC-Br havia avançado 1,46%. 

Segundo especialistas, o dado mostra que a economia perdeu fôlego nos três primeiros meses do ano e que o cenário de retomada ainda está em um ritmo lento. "Há alguns meses havia expectativas de alta em torno de 1% para o PIB do primeiro trimestre, e agora estão bem abaixo disso. Por aí, dá para perceber o tamanho da frustração", avalia Pedroso, do MUFG. No ultimo trimestre, o PIB subiu 0,1%.

A previsão oficial do Banco Central para a atividade doméstica em 2018 é de avanço de 2,6%, sendo que este número foi informado em março, enquanto o Ministério da Fazenda espera um PIB de 3,0% em 2018.